Bio

Minha infância no Brasil foi cadenciada pelo fechar das malas feitas e desfeitas por meus pais. Durante sua ausência, era nos livros que eu buscava companhia. Aos poucos, comecei a escrever em diários com pequenos cadeados dourados. Naquelas páginas descobri que podia escrever os sentimentos que não falava para ninguém. Ser uma escritora tornou-se o meu destino.

Se por um lado, eu cresci mostrando a imagem de uma mulher forte e independente, era nos meus textos que colocava toda a fragilidade que havia em mim.

Em 2014, como para preencher as lacunas da minha infância, saí do Brasil e fui morar no Canadá. Neste novo país, busco a coragem para finalmente dar voz a coisas que habitam meu mundo interior, agora em francês.